sábado, 14 de maio de 2016

Monster High são fofas, mas...



Estava eu assistindo Monster High, essa manhã, e me deparei com a seguinte cena: Todas as personagens são magérrimas, e todos os garotos são ultra definidos, basicamente eles são todos capa de revista teen, e também não vi qualquer tema interessante ser abordado nesse desenho, sinceramente, quando até a Barbie está dando o braço a torcer, eu esperava mais representatividade dessas marcas novas, afinal é muito mais simples você chegar fazendo o certo, do que alterar as características de uma personagem já existente. 

Considerando a proposta das personagens, eu esperava um pouco mais de ousadia vindo dos criadores, afinal, estamos lidando com seres, que até então, eram considerados demônios, malignos, noturnos, obscuros, ou algo do tipo, era a oportunidade perfeita para desmistificar outros preconceitos e padrões. Estamos em uma época de muita ousadia com desenhos animados, podemos ver isso em diversos desenhos:


Steven U.

Já falei desse desenho em uma das primeiras postagens do site, mas sinceramente, a destruição de conceitos que esse desenho trás deve ser lembrada mais vezes, o desenho começa bem quando tem um protagonista gordinho filho de pai de solteiro. Começamos dando dois tapas na cara da sociedade, primeiro já deixa bem claro que é possível ser gordo e ser feliz com seu peso, inclusive, o personagem tem uma namorada, depois temos um pai solteiro, que cria esse garoto com a ajuda de três cristais alienígenas, que podem ser considerados, de certa maneira, lésbicas, não que elas tenham sexualidade definida como a humana, mas nessa espécie alienígena todos tem a aparência do que nós consideraríamos feminino, e por fim temos a filosofia de vida do Steven que nada mais é do que gostar de todas as pessoas igualmente. 



O Incrível Mundo de Gumball

Outro desenho em que foram abordados diversos temas de maneira super natural e inclusiva, como, por exemplo, a adoção, no desenho o melhor amigo e irmão do protagonista, Gumball, é Darwin o seu irmão adotivo, depois temos uma inversão dos papeis de figura dominante na casa, onde a mãe é quem trabalha e dita as regras e não o pai, diferente do que é passado para nós na maioria das vezes. 


Hora de Aventura

Quando assistimos Hora de Aventura julgamos ser um desenho bobo, principalmente pelos seus traços e pela personalidade do protagonista, mas em seguida começamos a perceber que a história por trás desse desenho é muito mais complexa do que a de muito filme, primeiro temos como o pano de fundo uma guerra que altera todos os seres do mundo, em seguida são apresentados personagens que não são exatamente o que parecem, por exemplo, a Princesa Caroço, ela é uma menina toda bruta e com voz masculina, mas na verdade no fundo ela é meio carente, depois temos a história de Amor entre o Beemo (um gameboy) e o vento, a relação de amor e ódio da Princesa Jujuba e Marceline, a relação de Jake com a Princesa Íris que apesar de terem filhos não vivem juntos, ele se julga um pai ausente e por aí vai. Alguns desses temas podem passar desapercebidos para muita gente, mas uma criança que, por exemplo, tenha os pais divorciados vai captar na hora a ideia de família diferente do Jake se identificar e se sentir incluída e isso é muito importante para qualquer pessoa, sobretudo para crianças.


Finalmente acabei de citar os exemplos e o ponto chave é, eles conseguiram criar essas histórias maravilhosas e temas tão interessantes de personagens tão simples e comuns, que poderiam seguir sua vida naturalmente sem questionar nada em nossa sociedade, mas não, foram atrás e deram um jeitinho de caber todo mundo na família e estão ali, tá apertado, mas se procurar da pra encontrar cada membro da sua família nesses desenhos, agora um desenho como Monster High que tem personagens que poderiam ser naturalmente cativantes virar apenas mais um “Criador de padrões” é no mínimo deprimente. 

Não tem ligação direta com o texto à cima, mas eu gostaria de lembrar a todos que algumas pessoas não fazem parte dos padrões perfeitos que a mídia impõe, e certas vezes nós nem percebemos que estamos sendo manipulados por eles, mas ultimamente tenho visto em algumas páginas do Facebook muita piada maldosa, principalmente com mulheres, associando a imagem de uma mulher gorda, ou acima do peso com uma pessoa feia que não pode, ou no mínimo não deve, usar determinado tipo de roupa, quando na verdade isso é um absurdo, espero que se você estiver lendo isso e já fez esse tipo de piada, ao menos repense nas coisas em que você fala. Aliás, antes de dizermos qualquer coisa deveríamos nos perguntar: “O que eu vou dizer para essa pessoa vai ajudar ela de alguma maneira, ou apenas vou abaixar a auto estima dela, ou dele?”

Recomendo esse vídeo