sábado, 25 de fevereiro de 2017

Poema: Baphomet


Maldito desgraçado
Mal amado
Odiado
Cachorro vagabundo
Porco imundo

Não se assuste
Com o demônio
Sinto o cheiro do feromônio

Tire as roupas
Se jogue na noite
Beije um deus
Abrace um diabo

Com a mente em pedaços
Junte retratos
Corra para as colinas
Esfaqueie algumas meninas

Cachorro, desgraçado
Maldito, domado
Porco imundo
Pobre vagabundo

Desgraça
Maldição
Você não tem coração

Estou curioso
Mas seja cauteloso
Não sou tão bondoso
Gosto de apanhar
Ponha-me de joelhos
Jogue-me no chão
Coma meu coração

Que horror
Que ódio que vem de dentro
Queimando
Só queria estar te devorando

Sinto seu cheiro
Vejo seu rosto
Sinto seu gosto

Qual o sentido do coração
Ponha-me de joelhos
Eu pratico a felação 
Toque no meu corpo
Excite-me
Não hesite
Jogue-me de quatro
Ponha-me medo
Mate-me em segredo
Esconda meu corpo
Possua minha vida
Destrua meu amor

Não importa o quanto eu grite
Você sabe que
Jesus não é meu senhor